TUDO que você precisa saber para montar um jardim (Parte I )

Possuir um jardim é uma excelente maneira de manter o contato com a flora na sua forma mais viva. A natureza sempre harmoniza com todos os demais ambiente e remete-nos (quase sempre) a um local de meditação e equilíbrio.

 

 

Historicamente, começamos o surgimento humano no Eden, e de lá para cá, temos passagens diversas de jardins, assim, também, desconhecidos, apenas imaginário, exemplos os Jardins Suspensos da Babilônia..

Mítica, por falta de provas nos tempos atuais, é apenas mencionada nos livros escritos por Beroso, escrito em 290 A.C. reinado Nabucodonosor II e posteriormente entre 37-100 D.C. O escritor Josefo vem a creditar como construções realmente feitas pelo rei seu conceito hoje representa um ideal romântico de um Jardim Oriental.

 

 

 

biblicamente estaria de frente para a Torre de Babel.

 

 

Quando falamos de preferência, temos que pesar aos usuários suas necessidades:

Espaço, Perfumes, Cores, Formatos e Frutos.

_ Porquê?

  • Espaço canteiro, quintal, vertical outros.
  • Perfumes = Alérgicos;
  • Cores as preferidas;
  • Formatos para alinhar ao estilo do Jardim Exótico (folhagens pontudas) ou Clássico (pétalas e folhas arredondadas);
  • Frutos atração de insetos.

Paisagismos é a composição com sentido (estilo), daí verificar se o seu espaço trata-se de quintal ou canteiro é o inicio das nossa compreensão – o espaço.

O primeiro movimento paisagístico no Brasil foi por Mauricio Nassau que trouxe o pintor e paisagista Franz Post, e depois dele os portugueses dispersaram a influência Holandesa e tomaram rédias na produção destes ambientes.

Antes de introduzirmos os conceitos nas próximas matérias sobre paisagismo, vamos conhecer a influência dos nomes que tanto ouvimos nessa área, e o quanto cada um contribuiu para esse desenvolvimento na nossa história.

  • Roberto Burle Marx criador da linguagem paisagística moderna, conceito de jardim como obras de arte, somada a uma dimensão ecológica e ambiental;
  • Roberto Coelho Cardoso introduziu no curso de arquitetura e urbanismo a disciplina de paisagismo na década de 50. 

No nosso país os modelos de arborização do Rio de Janeiro (capital na época do Império) foram levadas a outros estados, e na maioria das vezes sem acompanhamento técnico perdendo a organização estética, saiba que nessa época existia a distinção de valores através do Jardim, pertencentes as pessoas de posses representativos da suas fortunas com disputas na suntuosidade e luxo na maioria estilo “Francês” com espécies exóticas e raras com animais tipo os pavões, araras, arapongas e macacos, já chegando aos tempos da libertação dos escravos, época em que houve um declínio neste mercado dos Jardins Residenciais, por falta de mãos de obra daí as plantas não demonstravam mais a riqueza dos proprietários, e sim, o conforto com o uso das rosas, cravos, samambaias e orquídeas, sendo usadas nas partes internas das residências. 

Baseado nos Jardins Franceses, buscamos a Praça Paris uma herança dessa época na Glória, RJ.
Essa Praça ficou desativada durante anos até a restauração e cuidados por iniciativa privada.

 

 

 

Vista aérea da Praça Paris

E nas próximas matérias publicaremos os estilos e formatações mais usados no paisagismos brasileiro, que nos inspiramos muitas das vezes, sem querer, e os aderimos.

 

 

 

Fotos e imagens retiradas do Google.

Sobre o Autor: Stefane Favoretti

Designer de interiores curiosa por decoração. Uma caçadora de tendências apaixonada por inspirações.

Has one comment to “TUDO que você precisa saber para montar um jardim (Parte I )”

You can leave a reply or Trackback this post.

  1. Ian - 8 de abril de 2019 at 20:47 Reply

    Thanks for the great manual

Leave a Reply

Your email address will not be published.